Uma nova síntese de verdades eternas

em Blogs | 5

Por Ir. Helena Burns, FSP

“A Nova Evangelização” é um termo cunhado pelo Papa João Paulo II para descrever a necessidade atual de evangelização e re-evangelização dos países e regiões do mundo que são historicamente cristãos, mas por diversas razões já não o são mais, ou são cristãos apenas no nome. O Papa Bento XVI retomou esta convocação com relação à Europa, em particular, ao testemunhar as tentativas do continente de negar até mesmo a concretude de suas raízes cristãs. Papa Bento inclusive instituiu o Conselho Pontifício para a Nova Evangelização, em 2010.

A “re-evangelização” de países não é coisa nova. Há precedentes em que um país / povo recebeu o “kerygma” (o primeiro anúncio do Evangelho) de primeiros missionários, mas a Igreja local ficou sem pastores, careceu de um desenvolvimento sistemático estrutural, voltou às religiões nativas, caiu em heresia, ou foi convertida a outras religiões devido a invasões etc. A parábola do semeador e das sementes é perfeitamente aplicável aqui. A Índia afirma ter recebido seu kerygma do próprio Apóstolo Tomé. A Inglaterra recebeu a Fé no início, mas estava necessitando de re-evangelização logo depois. Os índios Potawatomi em Michigan foram batizados por um padre missionário e aprenderam o Pai Nosso em latim, mas não viram outro sacerdote por muitos anos. Sua recitação do Pai Nosso serviu como prova de seu batismo aos missionários subseqüentes.

O que a Teologia do Corpo, de João Paulo II, tem a ver com a Nova Evangelização? Tudo. Embora não tenha “ligado os pontos” ele próprio – provavelmente por modéstia – a correlação é vital, pelo menos para a civilização ocidental. Como assim? Não há evangelização sem a evangelização da cultura. Indivíduos pertencem a culturas, e o Evangelho não só deve transformar o indivíduo, mas a cultura também, através da “inculturação”. Por que a necessidade de evangelizar as culturas? “Cultura” é tudo o que nos torna humanos: trabalho, arte, recreação, lazer, esportes, vida familiar, ritos de passagem, as redes sociais, política, comida, dança, literatura, teatro, rituais e, sobretudo, louvor e lirturgia. Para que o Evangelho permaneça e seja eficaz, deve permear todas essas áreas.

Hoje em dia, a “cultura pop” é a cultura dominante. Alguns poderiam chamá-la de “cultura americana” ou “cultura midiática”. Alguns desdenham a cultura pop, definindo-a como “cultura inferior” em oposição à “alta cultura” da música clássica e dos “grandes livros” etc. Mas o fato é que a “cultura pop” tem todos os sinais de uma cultura genuína. E é a única cultura a que muitas pessoas jovens e outras pessoas não tão jovens assim afirmam estar ligadas. Como João Paulo também disse: “O homem é o caminho da Igreja.” Nós não podemos nos dar ao luxo de ficar para trás, distanciados das estradas pelas quais as massas viajam. Devemos “colocar-nos ao largo” (“duc in altum”), ir mais a fundo, entrar nos meandros confusos da cultura pop, se quisermos trazer e ser Cristo, Caminho, Verdade e Vida, para as almas.

Como o Concílio Vaticano II nos ensinou, há “sementes do Evangelho” presentes em cada cultura. Há uma necessidade de “batizar” o que já é bom em uma cultura e “purificar” o que não é. Quais são as “sementes do Evangelho” presente no Ocidente de hoje, a assim chamada cultura “pós-cristã”, e na cultura pop? Uma fascinação, obsessão, e compromisso inabalável com o corpo, a sensualidade, o material, o belo, o que pode ser visto, sentido e experimentado. E João Paulo II disse: “Tudo bem. Podemos começar por aí”. Esta foi a genialidade da Teologia do Corpo. Em vez de começar com o espiritual, a alma, a mente, a consciência, isto é, o que não pode ser visto, ele disse: “Vamos começar com o que podemos ver.” O físico. O corpo. Como notou o biógrafo de João Paulo II, George Weigel, a Teologia do Corpo tem transformado e continuará a transformar todo o mundo teológico e filosófico (secular e religioso) de cabeça para baixo (ou do lado certo para cima!), dando-lhe um novo ponto de partida. Um ponto de partida universalmente verificável. E este ponto de partida não pode ser dissociado de Deus, porque é criação, e criação é uma doutrina, e agora estamos diretamente no colo de Deus.

Mas não foi sempre com a criação de Deus que começamos as nossas catequeses? “Deus fez o mundo”? Sim. No entanto, nós, católicos ocidentais, somos membros de carteirinha da nossa cultura ocidental em particular, que é cartesiana, isto é, que defende e vive, em seu âmago, uma divisão mente-corpo (veja a introdução de M. Waldstein para a nova edição da Teologia do Corpo, “Man anda Woman He Created Them”). Esta subjacente falha filosófica mina e substitui tudo o que é ensinado pela Bíblia e pela Igreja, e orienta nossas decisões diárias.

O fato que importa é o seguinte: Nós não temos corpos, nós somos corpos. Somos espíritos corporificados corpos espiritualizados. A definição da pessoa humana é: corpo e alma, juntos para sempre.

É a Teologia do Corpo algo novo ou algo velho, então? As duas coisas. É uma nova síntese das verdades eternas. João Paulo II, um catequista, apresentou o depósito da fé de tal forma que se torna imediatamente acessível a todos, porque ele começa onde todos nós vivemos: o nosso corpo, amor, relacionamentos. Jeff Cavins diz que o que aprendemos sobre a nossa fé ao longo dos anos muitas vezes equivale a uma “pilha de catolicismo”, que pode até parecer um monte de fatos verdadeiros, mas não relacionados. João Paulo II tomou a caixa de quebra-cabeça da fé católica e reuniu os pedaços juntos para que possamos ver o quadro completo e belo do plano de Deus para o corpo humano, a pessoa humana, centrada em torno da criação / Encarnação / nova criação. Agora podemos ver como tudo está interligado: como a Eucaristia se conecta ao casamento, como o Magistério se conecta à doutrina social da Igreja, como o ano litúrgico se conecta aos nossos ciclos de fertilidade etc. Como o Padre Thomas Loya diz: “A Teologia da Corpo é o sistema de entrega para a soma total da sabedoria da Igreja”.

Talvez possamos mesmo dizer que a teologia do corpo é a Nova Evangelização.

__________

Irmã Helena Burns, da congregação Filhas de São Paulo, ministra oficinas para adolescentes e adultos sobre a Teologia do Corpo, a literatura mediática e filosofia.


Traduzido de: http://www.ncregister.com/daily-news/a-synthesis-of-eternal-truths/#ixzz1V7O7cJoU 
_

5 Responses

  1. Risonete P Aquino

    Fantástico,vi vcs no programa do prof Felipe Aquino,babei de felicidade e corri para acessar o site e me alimentar deste tema que ouvi pela primeira vez e me apaixonei. Parabéns, Deus abençõe vcs mais e mais.

  2. Umbelina Florêncio

    Assisti ao programa do Prof Filipe e gostaria de adquirir o livro Homem e Mulher o criou, aguardo resposta.

  3. Olá, você pode encontrar esse livro em livrarias católicas, inclusive, na internet, por exemplo, no “Armazem catolico”. Nós não vendemos diretamente este livro. Deus te abençoe
    Daniel

  4. GOSTARIA DE SABER COMO RECEBER APOSTILHA E AUDIO

    AGRADECIDA

Deixe um comentário