O caminho da Teologia do Corpo

em Artigos, Blogs | 1

Por: Justin Cardeal Rigali

Atalhos podem parecer muito atrativos.

A sociedade, particularmente no Ocidente, tomou um atalho muito problemático, no meio do século 20.

A combinação de secularismo, materialismo e hedonismo levou a uma mudança social perturbadora. Na época da revolução sexual, a sociedade se afastou do autêntico significado da vida humana e do amor matrimonial. Entorpecido pelo pecado e pelos seus efeitos, emergiu um estilo de vida que coloca o sentido do corpo humano sob suspeita. Igualou-se o sentido do ser humano com a mera satisfação de apetites e desejos.

No meio dessa confusão, a catequese do servo de Deus, o Papa João Paulo II, delineou um novo caminho. A Teologia do Corpo é o caminho para desfazer os “atalhos”, de volta à inviolável dignidade da vida humana e à beleza do amor matrimonial. O ensinamento de João Paulo II, na verdade, é uma gramática da vida e do amor, expressa em um estilo catequético original. Suas palavras são um marco de eficácia pastoral para a evangelização da cultura.

A importante série de artigos sobre a Teologia do Corpo que sairá nos próximos dias é um esforço no sentido de mostrar a eficácia pastoral que se encontra nas ricas catequeses do Santo Padre. A Teologia do Corpo não está além do nosso alcance. Está enraizada profundamente em nossos corações.

Professores não tomam atalhos. Na verdade, todo grande professor pacientemente conduz o estudante a partir do que é conhecido em direção ao desconhecido. O Papa João Paulo II começa com o que é conhecido, ou seja, o familiar diálogo de Jesus presente no capítulo 19 do Evangelho de São Mateus. Os fariseus queriam tomar um atalho para fugir de Jesus. Mas não há atalho que evite Jesus, que é o princípio, o centro e o fim da história. Apesar disso, os fariseus o pressionaram com a pergunta: “Pode um homem se divorciar de sua mulher por alguma razão?” Jesus responde que não há “atalhos” quando se trata do sentido do casamento. Na verdade, Jesus insistentemente ensina que, para compreender a verdade sobre o casamento, devemos voltar ao “princípio”; devemos voltar ao momento da criação. Jesus recusa o “atalho”, e firmemente responde: “Não ouvistes que desde o princípio o Criador os fez homem e mulher (Gênesis 1, 26-27)…. e por essa razão o homem deve deixar seu pai e sua mãe, e se unir à sua mulher, e os dois se tornarem uma só carne (Gênesis 2, 24)?”

O Papa João Paulo II prossegue passo a passo. Ele dedicou extensa, cuidadosa e profunda consideração às palavras de Jesus no Evangelho de São Mateus, ao Livro do Gênesis, e ao ensinamento de São Paulo. João Paulo II nos ofereceu uma nova e revitalizante percepção da pessoa humana como um dom. O ensino contido na Teologia do Corpo corresponde às aspirações mais profundas da pessoa humana. Nesses 30 anos posteriores às suas catequeses, tem havido uma forte e ampla recepção das bases de seu conteúdo.

A expressão cuidadosa da Teologia do Corpo na linguagem cotidiana deve preservar as importantes nuances do ensino original.

João Paulo II nos mostrou que “desde o princípio” o ser humano é um ser com capacidade de conhecer e de amar. O ser humano usa sua capacidade de conhecer e amar para procurar o “outro”. Essa busca não deve, entretanto, ser egoísta. Essa busca não é para satisfazer a nós mesmos, mas para cumprir o autêntico e genuíno sentido da vida e do amor humano. Essa busca não tem atalhos. Existe apenas um caminho para encontrar tão plenitude real e legítima. O ser humano só pode encontrar esse outro(a) (e a si mesmo) através de um total dom e entrega de si mesmo. Isso ocorre porque o ser humano é um dom. E já que ele é um dom, só pode ser pleno sendo um dom. Seu corpo é um dom, e foi feito para ser um dom. Um dom nunca é um atalho.

A natureza humana existe, seja como homem ou mulher, em uma irredutível diferença. O significado fundamental da diferença sexual, homem para mulher, e mulher para homem, é que permite uma verdadeira união, essa comunhão de pessoas que emerge do dom total e completo de si no matrimônio, e também na virgindade/celibato. O dom de si nunca pode ser abreviado ou tratado como simples meio para um fim.

As catequeses de João Paulo II apontam como o pecado é um falso atalho. É um desvio do chamado à autêntica comunhão de vida e de amor. O Santo Padre ensinou que o pecado e seus efeitos diminuem e atacam a imagem de Deus no ser humano. O pecado sempre busca sabotar o dom de si, e transformar auto-doação em busca egoísta de si mesmo. A sociedade oferece muitas imitações falsas para o dom de si. E no centro de todas elas está a tentativa de falsificar o sentido do corpo.

Promiscuidade, adultério, contracepção, meios ilícitos de reprodução humana e pornografia não são caminhos para a plenitude. A proposta de que pessoas do mesmo sexo poderiam “casar” ignora o sentido esponsal do corpo. Esses atalhos sempre distorcem o verdadeiro significado do dom de si, e do dom da vida.

João Paulo II nos mostrou que o Espírito Santo é o sábio guia que nos leva de volta ao caminho da vida. O Espírito Santo ensina a cada um de nós os efeitos salvíficos do dom-de-si sacrificial de Jesus na cruz, e na sua gloriosa ressurreição. As graças dos sacramentos nos fortalecem para viver a vida de virtude, de modo que possamos verdadeiramente ser puros de coração. O Espírito Santo nos leva a ter esperança na redenção do corpo.

O Papa João Paulo II dá bastante atenção para o ensinamento de São Paulo sobre a redenção do corpo (Romanos 8, 32). O Santo Padre assim o faz para descrever ao menos duas realidades centrais nas catequeses da Teologia do Corpo. Primeiramente, há a vitória final sobre a morte, no final dos tempos. Em segundo, há o convite de Jesus para superar a concupiscência, mesmo no mais profundo de nossos corações e em nossas ações e escolhas cotidianas. Escolher o caminho de Jesus é responder ao seu chamado para segui-lo no longo percurso.

Sabemos que não há um verdadeiro atalho com relação à vida e ao amor. Não importa o quão longe fomos em um atalho perigoso, a graça de Jesus Cristo nos abriu um caminho. O ensino de João Paulo II revela como todos os atalhos são becos sem saída, ao mesmo tempo que nos redireciona para o caminho de Jesus. O sinal que indica a direção da “nova evangelização” se encontra na interseção da dignidade inviolável da pessoa humana e no casamento como a união permanente, fiel e fecunda de um homem e de uma mulher. Esses ensinamentos fundamentais são elementos essenciais sobre os quais repousa toda a sociedade.

Estou feliz em apresentar esta série de artigos que pretende divulgar ainda mais esse importante ensinamento e reunir-nos todos no caminho para a civilização do amor e a cultura da vida.

__________

Traduzido de: http://www.ncregister.com/daily-news/theology-of-the-body/

_

One Response

  1. Hélio Ferreira da Silva

    De fato, “o ser humano é um ser com capacidade de conhecer e de amar”
    Gostei muito do rico conteúdo deste artigo. Parabéns Teologia do Corpo.
    Deus abençoe!!!

Deixe um comentário